Next Generation. Amplificando a voz dos jovens na Colômbia

O Next Generation é um projeto de pesquisa liderado pelo British Council e composto por uma série de informes que buscam gerar evidência sobre a experiência dos jovens pelo mundo para assim poder entender quais são as suas percepções, as suas experiências, os seus desejos e desafios. Dessa forma, o informe da Colômbia, para o qual são oferecidos resultados preliminares, se une aos realizados em países como o Paquistão, a Nigéria, Bangladesh, a Ucrânia, a África do Sul ou a Tanzânia.

A pesquisa na Colômbia foi levada a cabo juntamente com a Universidad de los Andes e a Universidad del Rosario, combinando técnicas de estudo quantitativa e qualitativa:

  • Enquete para uma amostra representativa nacional de jovens entre 14 e 28 anos: 2.382 enquetes realizadas em zonas urbanas e rurais.
  • 8 grupos focais com jovens em zonas urbanas de Bogotá e Medellín.

Os resultados da pesquisa se apresentam em relação a cinco perguntas, das quais poderiam ser destacados seguintes dados:

Quem são?

A metade dos jovens do país se identificam principalmente como colombianos, enquanto que el 32 % se identifica com as suas comunidades locais (etnia, bairro ou município, religião ou região).

As conquistas em esportes (90 %); música, artes e literatura (89 %); e história da Colômbia (77 %) são os três assuntos que mais fazem os jovens se sentirem orgulhosos do seu país. Aspectos como “o funcionamento da democracia” será mencionando solamente por 11 % dos jovens.

Com respeito às pessoas nas quais confiam, a família (87 %) se apresenta como a dimensão mais importe, muitos mais do que os amigos (47 %).

Entre as instituições, o maior nível de confiança dos jovens é pelos professores, o exército e a Igreja Católica (com valores superiores a 45 %). Já os políticos e os grupos armados à margem da lei ocuparão os últimos postos, obtendo valores inferiores a 10 %.

Como entendem o seu papel na sociedade colombiana?

Os jovens colombianos opinam que formar parte de organizações sociais (26 %), votar em eleições nacionais (25 %) e participar em trabalhos voluntários (25 %) são as melhores formas de participar na sociedade.

Pedem que os líderes do país sejam especialmente honestos (65 %), mas também que tragam ideias novas (39 %) e que entendam os problemas aos quais se enfrentam os jovens (25 %).

Como entendem a democracia na Colômbia? A maioria considera que é preciso ter mais jovens (81 %) e mulheres (84 %) em posições influentes nos partidos políticos. De maneira correspondente, poucos jovens consideram que os partidos políticos tenham em conta as necessidades dos jovens nas suas plataformas políticas (16 %) ou que sejam bons para se comunicarem com os jovens (18 %).

Somente 16 % dos jovens colombianos afirmou não ter sido membro de nenhuma organização. A Igreja Católica (41 %) é a organização com a que os jovens mais se envolvem. Além dela, se destaca a participação em equipes esportivas (26 %), grupo de música (22 %) e grupos de estudo (22 %).

O que os afeta?

Os jovens colombianos se veem afetados principalmente pela violência comum, especialmente os jovens de zona urbanas (43 % foram vítimas de roubos ou furtos).

Independentemente de que vivam em ambientes urbanos ou rurais, 1 de cada 4 jovens na Colômbia afirma que membros dos seus círculos próximos foram vítimas de um grupo armado alguma vez na sua vida.

Adicionalmente, os dois problemas mais frequentes dos jovens no seu bairro ou município são: a gravidez precoce (45 % em zonas rurais) e o consumo excessivo de álcool (cerca de 43 % e 41 % em contextos urbanos e rurais, respectivamente).

O que fazem?

Os dados do relatório indicam que 87 % dos jovens entre 14 e 17 anos e 42 % dos jovens entre 19 e 28 anos estão inscritos em uma instituição de educação básica, média ou superior. Agora, são registradas diferenças de mais de 30 pontos percentuais na assistência entre os jovens do estrato social mais alto e os do mais baixo. Diferenças que também se encontram (embora não tão importantes) entre jovens rurais e urbanos.

As taxas de assistência e graduação na educación média são baixas. Apenas 56 % dos jovens entre 16 e 24 anos completaram a educação média, fato que se traduz na falta de acesso ao ensino superior para cerca de 40 % dos jovens colombianos.

Com respeito à ocupação laboral dos jovens entre 18 e 28 anos, também devem ser destacadas as grandes desigualdades por gênero. Enquanto que 55 % dos homens realiza algum tipo de atividade remunerada, somente 32 % das mulheres possuem essa possibilidade. Por outra parte, uma alta proporção de mulheres dessa idade está dedicada a atividades do lar (19 %), sendo a proporção de homens na mesma situação muito baixa (1 %).

As atividades mais comuns entre os jovens (tanto no ambiente urbano quanto no rural) são ver televisão, vídeos ou filmes e escutar música (90 %). Após essas seguem navegar pela Internet e usar redes sociais (85 %) para a população urbana; já os jovens das zonas rurais afirmam “descansarem” sem fazer outra atividade (82 %).

Com o que sonham e com o que estão preocupados?

Mais da metade dos jovens colombianos (urbanos e rurais) se preocupa atualmente com o desemprego e o alto custo de vida. É por isso que quando são questionados a cerca do futuro, se preocupam fundamentalmente com não poderem dar uma boa educação para os seus filhos (80 %).

A pesar de tudo o que foi exposto anteriormente, os jovens olham para o seu futuro e o do país com otimismo. Um total de 87 % opina que poderá desenvolver a sua vida de maneira sem depender dos seus pais e que terá oportunidades para se expressarem.

A maioria (61%) acredita que a sua geração vai transformar a Colômbia em um país melhor.

Descarregar PDF