Tecnologia e redes. Avanços e resistências à igualdade de gênero.

Tecnologia e redes. Avanços e resistências à igualdade de gênero.

  “O patriarcado é um juiz, que nos julga por nascer, e o nosso castigo é a violência que não vês.” (Um estuprador no seu caminho. Coletivo Las Tesis)     Hoje, podemos dizer que, tanto na Europa quanto na América Latina (em sua grande parte), vivemos em sociedades formalmente igualitárias, onde as instituições contam com ferramentas e instrumentos para garantir que, legalmente, nenhuma mulher possa ser discriminada pelo fato de ser mulher. Essa ideia ou premissa de “objetivo cumprido” pode nos induzir a não levar em conta aqueles espaços que atuam como fronteiras para o alcance da igualdade de gênero. Uma dessas fronteiras, talvez a mais onipresente para as pessoas jovens, é a esfera digital.

YouTube e redes sociais. Novos espaços de aprendizagem informal

YouTube e redes sociais. Novos espaços de aprendizagem informal

Uma grande parte do mundo adulto há alguns anos está se perguntando: O que é que os adolescentes estão fazendo com os meios de comunicação? e Como aprenderam a fazer essas coisas?. Ambas as perguntas ocuparam durante três anos o trabalho de cerca de 50 pesquisadores no projeto europeu Transmedia Literacy. Exploiting transmedia skills and informal learning strategies to improve formal education.