A falta de educação é uma das coisas que mais preocupam os jovens latino-americanos

A pesquisa anual Global Shapers, promovida pelo Fórum Econômico Mundial, perguntou a mais de 31.000 jovens de 186 países sobre os desafios mundiais e os problemas que mais lhes afetam. 

Neste sentido, é necessário destacar que a corrupção e a falta de transparência dos governos (47 %) junto com a desigualdade (38 %) são as duas coisas que mais preocupam os jovens entrevistados.  

No entanto, os dados desagregados para a América Latina e o Caribe mostram que a falta de educação é a segunda questão que mais preocupa os jovens da região, mencionada por 41 % dos entrevistados. De igual modo, identificam a falta de acesso a uma educação de qualidade como o segundo fator que mais contribui para a desigualdade nos seus países (58 %). Uma questão que descende para o terceiro posto quando mostrados os resultados globais. 

Ao serem perguntados pelo tipo de discriminação que causa mais dano nos países deles, os jovens latino-americanos mencionaram:  

  • Descriminação de renda: 33,5 % 
  • Acesso aos recursos: 28 % 
  • Gênero: 18 % 
  • Raça: 9 % 

A renda é identificada como a principal fonte de descriminação; porém, existem diferenças significativas entre os países com respeito as demais causas. Por exemplo, a descriminação racial preocupa especialmente os jovens brasileiros (mencionada por 21 % deles), a descriminação de gênero, os jovens mexicanos (26 %) e a renda junto com o acesso aos recursos (23 %), os jovens chilenos.

Sobre os principales desafíos globais identificados pelos jovens latino-americanos, o câmbio climático aparecerá em primeira posição (mencionado por 47 % deles), seguido das guerras, da desigualdade e da pobreza.  

Levando em conta esta série de desafíos … O que os jovens latino-americanos estão dispostos a fazerem para mudar o mundo? 

Algo mais de 80 % responde que estaria disposto a mudar o seu estilo de vida para proteger a natureza e o meio ambiente. Já 72 % reconhece estarem realizando um papel directa ou indiretamente ativo para melhorar a sustentabilidade e o estado do planeta. 

A metade dos jovens da região sabe o que são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Do total, 26 % reconhece participar de maneira muito ativa na consecução de tais objetivos e, 55 % deles, de maneira indireta.